NOVA LEI

Sancionada lei municipal que institui Semana de Conscientização sobre Dislexia

A nova lei prevê realização de palestras, seminários e atividades lúdicas para sensibilizar pais e professores sobre o distúrbio

segunda-feira, 28 Setembro, 2020 - 19:30
Mãos de criança escrevendo em papel sobre a mesa. Papel exibe atividade escolar
Foto: Karoline Barreto/ CMBH

Publicada no último sábado (25/9), no Diário Oficial do Município, a nova Lei 11.256/20 - originária do Projeto de Lei 796/19, de autoria parlamentar - institui a Semana de Conscientização sobre a Dislexia, a ser comemorada, anualmente, na terceira semana do mês de outubro. Para o autor do projeto, a criação da Semana da Dislexia será uma oportunidade para que se dedique maior atenção à conscientização sobre o distúrbio, promovendo um momento de diálogos e discussões em diferentes espaços públicos com o objetivo de ampliar o foco nesse tema e ouvir os disléxicos para garantia de seus direitos.

A semana de que trata esta lei tem como objetivos informar pais, professores, cuidadores e a população em geral sobre a dislexia; inclusive orientando a respeito do diagnóstico e do tratamento adequados, além de encaminhar os casos de dislexia diagnosticados para acompanhamento especializado. A lei sancionada também garante que, durante a semana comemorativa, serão promovidas atividades que busquem ampliar o conhecimento e a sensibilização sobre o tema, como palestras, seminários e atividades lúdicas.

Dislexia

A dislexia é um distúrbio genético que dificulta o aprendizado e a realização da leitura e da escrita. O cérebro, por razões ainda pouco esclarecidas, apresenta dificuldade para encadear as letras e formar as palavras, não relacionando adequadamente os sons às sílabas formadas. Como sintoma, a pessoa com dislexia passa a trocar a ordem de certas letras ao ler e escrever.

Segundo a Associação Brasileira de Dislexia (ABD), entre 5% e 17% da população mundial são atingidos pela dislexia. No Brasil, 4% da população brasileira possui o distúrbio, conforme dados do censo de 2010 do IBGE.

Salas de aula

Especialistas afirmam que a dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aulas e  que o mais indicado é diagnosticá-lo ainda na infância. Alguns dos sinais mais comuns, de fácil percepção pelos pais, cuidadores e educadores seriam dispersão, desatenção, atraso no desenvolvimento da fala, atraso no desenvolvimento da coordenação motora, dificuldade em atividades como quebra-cabeça, falta de interesse por livros, desorganização geral e dificuldade no manuseio de objetos.

Se alguma criança apresentar alguns desses sinais, um diagnóstico e acompanhamento profissional devem ser realizados, pois, quando feitos ainda na infância, oferecem aos pequenos maiores chances de acompanhar o desenvolvimento das outras crianças da mesma idade.

Superintendência de Comunicação Institucional