Avenida Vilarinho

Projeto anunciado pela PBH será analisado por comissão, que vai vistoriar córregos

Visita técnica vai averiguar as condições atuais do local e audiências discutirão soluções para prevenir as enchentes

quinta-feira, 14 Fevereiro, 2019 - 19:15
Reunião da Comissão Especial de Estudos sobre as Enchentes da Avenida Vilarinho, em 14 de fevereiro de 2019
Foto: Abraão Bruck/CMBH

Principal artéria da Região de Venda Nova, a Av. Vilarinho enfrenta alagamentos e enchentes todos os anos no período de chuvas, que causam prejuízos e transtornos para moradores e transeuntes. Em novembro do ano passado, após um forte temporal, a enxurrada arrastou carros, invadiu comércios e resultou na morte de três pessoas. Retomando as atividades em 2019, a Comissão Especial criada na Câmara de BH para analisar e propor soluções para o problema aprovou nesta quinta-feira (14/2) a realização de duas audiências públicas e uma visita técnica ao local, a fim de verificar as atuais condições dos córregos e avaliar as intervenções já realizadas e propostas pela Prefeitura.  

Atendendo à convocação de seu presidente, Dr. Nilton (Pros), a Comissão Especial de Estudos - Enchentes da Avenida Vilarinho se reuniu na tarde desta quinta-feira para dar continuidade aos trabalhos. Na reunião, o relator Jorge Santos (PRB), os membros titulares Fernando Borja (Avante) e Eduardo da Ambulância (PHS) e o suplente Cláudio Duarte (PSL) fizeram críticas à intervenção anunciada recentemente pela Prefeitura, a ser realizada pela Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap). Os parlamentares questionaram a solução proposta – a construção de galerias para o escoamento das águas – que, segundo eles, apenas o transferirá o problema para outros pontos da cidade.  

De acordo com os integrantes da comissão especial, desviar a água das chuvas de Venda Nova para outros córregos da capital é o mesmo que “enxugar gelo”, já que as causas das enchentes não serão resolvidas. Uma das sugestões apresentadas foi a criação de bacias de contenção antes do Córrego Vilarinho, evitando que o aumento do volume dos afluentes sobrecarregue seu leito, e que poderia custar menos que o projeto anunciado. Os parlamentares reforçaram a necessidade de acompanhar a questão de perto e, com a colaboração de especialistas, propor alternativas que solucionem o problema de forma definitiva.

Debates e vistoria

A comissão aprovou dois requerimentos de autoria do presidente, solicitando uma audiência pública para discutir o projeto da PBH e uma visita técnica ao Córrego Vilarinho e seus afluentes, no intuito de averiguar suas atuais condições e as intervenções pontuais já realizadas pelo Município. As atividades foram agendadas para os dias 13 e 15 de março, respectivamente. No dia 1º de abril, por solicitação de Jorge Santos, a comissão promoverá uma nova audiência pública, na qual serão avaliados os resultados da vistoria e as possíveis alternativas para solucionar os problemas apontados.

Para acompanhar a visita técnica e participar dos debates, além da Sudecap, Secretaria de Obras e Infraestrutura e Administração Regional Venda Nova, serão convidados os presidentes do Sub-Comitê da Bacia Hidrográfica do Ribeirão do Onça - que poderá sofre os impactos das águas que serão desviadas do Córrego Vilarinho -, do Instituto Guaicuy - SOS Rio das Velhas e do Movimento Eu Vilarinho, além de lideranças comunitárias.

Respostas a pedidos de informação

Após a apreciação da pauta, os parlamentares registraram o recebimento de resposta ao Requerimento de Comissão (RC) 1148/17, que questionou a Administração Municipal sobre o planejamento da manutenção dos bueiros e da bacia de contenção do Córrego Vilarinho. A Prefeitura relatou as ações realizadas e previstas para o local. Em resposta ao RC 1168/17, a Sudecap prestou informações sobre o andamento das intervenções no Complexo da Avenida Várzea da Palma e Vila do Índio e nos Córregos Lareira, Marimbondo, Brejo Quaresma e Joaquim Pereira.

O RC 1166/17, por sua vez, solicitou parecer do Departamento de Engenharia Hidráulica e Recursos Hídricos da Escola de Engenharia da UFMG sobre a eficácia das intervenções realizadas pela Prefeitura na Avenida Vilarinho, além de sugestões de intervenções ainda não implementadas. Em sua resposta, o chefe do referido departamento apontou a ausência de detalhamento das questões e afirmou a impossibilidade de atender ao requerimento, que será reelaborado e reenviado pela comissão.

Assista ao vídeo da reunião na íntegra.

Superintendência de Comunicação Institucional

4ª Reunião - Comissão Especial de Estudo: Enchentes da Avenida Vilarinho