JOVENS NEGROS E DESBUROCRATIZAÇÃO

Duas novas comissões especiais de estudo definem nomes de seus integrantes

Grupos temporários irão tratar da violência e de homicídios de jovens negros e da desburocratização do setor econômico

terça-feira, 16 Fevereiro, 2021 - 13:00
Foto: Karoline Barreto/CMBH

Duas novas comissões especiais de estudo definiram nesta terça-feira (16/2) os nomes dos parlamentares que irão integrar os colegiados. A partir das indicações das lideranças partidárias, a presidente Nely Aquino designou os vereadores que integram a composição da Comissão Especial de Estudo - Empregabilidade, Violência e Homicídios de Jovens Negros e a Comissão Especial de Estudo – Desburocratização do Setor Econômico. As comissões especiais de estudo são dispositivos transitórios, com prazo de trabalho constituído dentro da legislatura, e que se dedicam à análise de um determinado assunto de interesse da cidade. Ambas as comissões devem decidir nos próximos dias horário, dia e local para suas reuniões, e ainda escolher por meio de votação as funções de presidente e relator do colegiado.

Empregabilidade, violência e homicídios de jovens negros

Contando com a assinatura de 17 dos 41 vereadores, o requerimento que criou a Comissão Especial de Estudo - Empregabilidade, Violência e Homicídios de Jovens Negros determina que a análise tem ainda o objetivo de avaliar os impactos sociais e econômicos desta realidade nas periferias de Belo Horizonte, visando a proposição de diretrizes de enfrentamento cabíveis aos temas.

Os vereadores Gilson Guimarães (Rede), Iza Lourença (Psol), Macaé Evaristo (PT), Marcos Crispim (PSC) e Wesley (Pros) serão membros efetivos e terão como suplentes, respectivamente, os parlamentares Professor Claudiney Dulim (Avante), Bella Gonçalves (Psol), Helinho da Farmácia (PDS), Reinaldo Gomes Preto Sacolão (MDB) e José Ferreira (PP).

Desburocratização do setor econômico

Criada para promover estudos relativos à desburocratização do setor econômico e ainda atuar na simplificação de processos, leis e atividades que atingem negativamente a vida do cidadão de Belo Horizonte, a comissão teve o endosso de 23 parlamentares de diferentes grupos partidários.

Foram constituídos membros efetivos desta comissão os vereadores Ciro Pereira (PTB), Irlan Melo (PSD), Léo (PSL), Marcela Trópia (Novo) e Professor Claudiney Dulim (Avante). Os suplentes serão os parlamentares Wanderley Porto (Patri), Fernando Luiz (PSD), Nikolas Ferreira (PRTB), Juninho Los Hermanos (Avante) e a vereadora Marilda Portela (Cidadania).

Comissões temporárias

De acordo com o Regimento Interno da Casa, a comissão especial de estudo deve ser integrada por cinco parlamentares, e dentro dos três dias úteis seguintes ao de sua constituição, deverá reunir-se, por convocação do membro mais idoso, para eleger o presidente e relator. A comissão especial de estudo tem prazo de vigência da legislatura em que foi constituída, porém poderá terminar os trabalhos antes do fim deste prazo, caso seus membros entendam que o assunto já foi abordado em sua totalidade. Antes do encerramento da comissão, o relator apresenta um documento (relatório final) que é a conclusão dos trabalhos do colegiado.

Superintendência de Comunicação Institucional