URBANIZAÇÃO

Moradores do Taquaril reivindicam recapeamento e implementação de praça

Representante da Prefeitura disse que irá encaminhar as solicitações ao secretário municipal de Obras e Infraestrutura

terça-feira, 22 Fevereiro, 2022 - 18:45
Sete pessoas participam de reunião remota, exibida em tela de computador.
Foto: Abraão Bruck/CMBH

A necessidade de recapeamento da Rua Gaspar de Lemos e implementação da Praça Pero Vaz de Caminha, no Bairro Taquaril, Região Leste da capital, foi debatida em audiência pública da Comissão de Meio Ambiente, Defesa dos Animais e Política Urbana, nesta terça-feira (22/2). Moradores da região também reivindicaram à Prefeitura canalização de água de chuva, implementação de redes de água e esgoto, e iluminação pública. Marcos Crispim (PSC), que solicitou o debate, pleiteou que a PBH isente a comunidade do pagamento do IPTU, tendo em vista a falta de serviços públicos. O subsecretário municipal de Assuntos Institucionais, Silvinho Rezende, reconheceu a necessidade de melhorias para a região, mas explicou que o Executivo prioriza no momento áreas de risco castigadas pelas chuvas. Ele se comprometeu a encaminhar as demandas dos moradores ao secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão.

Os moradores das partes alta e baixa da Rua Gaspar de Lemos e dos arredores da Praça Pero Vaz de Caminha reclamaram da dificuldade em descer a rua, que tem água, barro e deslizamentos, contando que muitos já caíram no local. Morador do bairro há 32 anos, Leonardo Barbosa Braun falou que quando chove desse um rio de água no local, que precisa de obras de drenagem e implementação de rede de esgoto. Pedindo urbanização, os participantes disseram que há pelo menos uma geração os pais compraram lotes e casas no local com a promessa de que uma praça fosse feita, o que nunca aconteceu. Foram sugeridas melhorias para a praça como campinho, Academia da Cidade, plantio de grama, plantas e árvores. Jonatas Davi disse que a praça “é um enorme descaso”, com matagal, esgoto a céu aberto e escuridão total à noite. Já Eduardo Dornelas reclamou de animais peçonhentos, como cobras e ratos. 

Marcos Crispim explicou que a praça que se pretende implementar é rodeada de nascentes e de grande quantidade de árvores. “Os moradores pagam caros impostos e não veem o retorno deles”, cobrou. O vereador exibiu vídeos feitos com celulares de moradores na última chuva mostrando água com lama caindo de uma altura considerável, lixo e asfalto precário. “É preciso que seja feito algo para retirar o lixo, e também tirar o mato que está em grande quantidade”, comentou, acrescentando que a rua está parcialmente interditada pois houve deslizamento de terra. Crispim mencionou visita anterior em que técnicos disseram ser necessário fazer um muro de contenção. “Infelizmente as obras que deveriam ter sido feitas não foram. Vamos lutar pelo projeto de construção da praça para que os moradores possam ver essa realidade alterada”, disse o vereador, acrescentando que Josué Valadão esteve lá e se mostrou sensível às reivindicações. 

Silvinho Rezende afirmou que o espaço precisa de projeto e obras, mas que a Prefeitura - Sudecap e Urbel - está empenhada na atenção a locais que exigem mais cuidado, áreas de risco. Ele assegurou que irá encaminhar a necessidade de projeto para a praça e as demais demandas dos moradores para o secretário municipal de Obras e Infraestrutura. 

Superintendência de Comunicação Institucional

Audiência pública para discutir sobre o descaso da Prefeitura com a Praça Pero Vaz de Caminha - 4ª Reunião Ordinária- Comissão de Meio Ambiente, Defesa dos Animais e Política Urbana